APRESENTAÇÃO DOS 16 (DEZESSEIS) VÉRTICES DA ESCADA ABSTÊMIA

Nos próximos estudos será realizada uma análise aprofundada sobre os elementos que compõem a escada abstêmia. Porém, nesse momento, faremos somente uma breve introdução ao tema.

A escada abstemiológica completa possui 16 (dezesseis) pontos que são denominados VÉRTICES05 (cinco) intervalos que são denominados DELAYS e 06 degraus que correspondem a cada uma das GRADAÇÕES ABSTEMIOLÓGICAS. Na imagem deste estudo estão representados (somente) os 16 VÉRTICES ou PONTOS ABSTEMIOLÓGICOS.

Assim, em cada ponto da escada abstêmia temos uma mudança de fase que, em apertada síntese, simboliza uma mudança de sistema ideológico. Trocando em miúdos, em cada ponto da escada abstêmia teremos uma nova forma de pensar, sentir e agir inerentes à mesma pessoa.

Os pontos da escada abstemiológica, em apertada síntese, são:

(a)  Início do mero uso: ocorre quando a pessoa inicia o uso de drogas/álcool, mas ainda faz um uso meramente recreacional. A maior relevância desse ponto refere-se à perda da abstinência original ou primária, já que a pessoa deixa de ser Homo abstemius purus.

(b)  Fim do mero uso: nesse ponto a pessoa deixa de fazer o mero uso e começa a fazer uso abusivo de drogas/álcool.

(c)  Início do uso abusivo: aqui a pessoa começa a abusar das drogas/álcool, mas ainda não pode ser considerada adicta.

(d)  Fim do uso abusivo: após o início do uso recreacional, em algum momento a pessoa começou a fazer uso abusivo de drogas/álcool, e esse abuso se torna uma dependência. É muito difícil saber quando o uso abusivo se tornou uma dependência.

(e)  Início da adicção: é quando a pessoa percebe, por ela mesma (autopercepção), que se tornou adicta. Esse é o PONTO “A”, ou ponto do início da adicção, e que é determinado como sendo a data em que a pessoa percebeu que se tornou adicta. É o autorreconhecimento do início da adicção.

(f)  Antessala da abstinência: é quando ocorre a exposição interventiva, ou seja, quando acontece uma autoapresentação ou heteroapresentação do diagnóstico adicto. Essa exposição pode ser entendida como sendo falsa, real ou autopercepção. Por se referir à exposição interventiva, é chamada de PONTO “E”.

(g)  Fim da adicção: só ocorre de duas formas: óbito ou abstinência. Esse é o PONTO “F”. O ponto “F” pode representar dois efeitos simultâneos. O primeiro é o fim da adicção. O segundo, caso exista , é o início da jornada abstêmia, e representa o começo da fase de desintoxicação. O ponto “F” é conhecido como “boda dourada”, porque pode surgir após a recaída “de ouro” ou da interrupção do uso de drogas/álcool. A boda dourada representa o “casamento”, união ou vínculo do abstêmio com o início de sua jornada abstêmia.

(h)  Início da abstinência: a pessoa passou a fase de desintoxicação, mas ainda não completou o período de 02 (dois) ou 03 (três) anos sem uso de drogas/álcool. Esse é o PONTO “R”, ou ponto do início da abstinência. Aqui cabe uma observação. Durante essa obra, optamos pela utilização do termo abstêmio mínimo como aquele abstêmio que tem origem logo após o ponto “F” (início da desintoxicação). Assim, entre o ponto “F” e o ponto “R”, temos o abstêmio mínimo. Após a fase de desintoxicação (depois do ponto “R” e antes do ponto “R+2” ou “R+3”) figurará o abstemenor. Entretanto, não vejo obstáculo algum à utilização do termo abstêmio menor (abstemenor) para aqueles abstêmios que ainda não se desintoxicaram, ou seja, que estão percorrendo o primeiro delay da parte positiva da escada abstêmia (D3), que vai do ponto “F” ao ponto “R+2” ou “R+3”. Desse modo, como se verá adiante, o abstêmio mínimo pode ser compreendido como sendo apenas uma subclassificação de abstemenor.

(i)  Fim da recuperação: a pessoa alcançou o tempo de 02 (dois) ou 03 (três) anos sem drogas/álcool, por isso esse é o ponto “R+2” ou “R+3”. Após esse ponto a classificação abstemiológica muda para abstêmio maior ou abstemaior.

(j)  Autorreconhecimento consciencial como ser abstêmio: é o momento de autopercepção, em que a própria pessoa percebe que se tornou abstêmia e que mudou, efetivamente, seu modo de vida. Esse momento se materializa pelos insights de 2º grau. Esse é o ponto “X” e corresponde ao autorreconhecimento consciencial da abstinência, ou seja, é quando a pessoa passa a se sentir como sendo abstêmia. Portanto, o ponto “X” tem dupla função: a primeira é inverter o critério de Homo abstemius coacto para Homo abstemius voluntariis. A segunda função é marcar o surgimento do abstêmio maior real.

(k)  Ponto Yintang ou PONTO “Y”: é o momento em que o período de adicção (Ad) se iguala ao período de abstinência (Ab), ou seja, [Ad=Ab]. Nesse ponto ainda não houve a equivalência entre o período de drogadição e o período abstêmio, mas já existe a igualdade entre o período em que a pessoa esteve em adicção e o período abstêmio. Esse ponto “Y” se materializa como sendo “boda de safira”, porque é a representação de que o “casamento”, união ou vínculo do abstêmio com sua jornada abstêmia já atingiu o mesmo período em que esteve sob os efeitos da adicção. Embora, na escada abstêmia, o ponto “Y” esteja localizado após o ponto “X”, é possível que a boda de safira ocorra antes mesmo do autorreconhecimento consciencial como ser abstêmio.

(l)  Ponto Ziemmermann ou PONTO “Z”: é o instante ou o momento em que o somatório de todo o período de abstinência (Ab) se iguala ao somatório do período de drogadição (D), ou seja, [Ab=D]. Nesse ponto, o período total de uso de drogas/álcool (período de drogadição) equivale ao tempo de abstinência, isto é, o somatório do tempo em que a pessoa foi mera usuária, usuária abusiva e depois adicta iguala-se ao somatório do período de abstinência. O dia do ponto “Z” é conhecido como “boda de diamante”, já que representa o momento em que o “casamento”, união ou vínculo do abstêmio com sua jornada abstêmia atingiu o mesmo período que, antes, foi dedicado à drogadição.

(m) Superação do período de drogadição pelo período de abstinência: é o instante seguinte ao ponto Ziemmermann, quando o tempo em abstinência supera todo o tempo em que se fez o uso de drogas/álcool. Aqui surge o pós-abstêmio ou mega-abstêmio.

(n)  Óbito da pessoa: é o fim da vida da pessoa abstêmia. Convém lembrar que o fim da abstinência pode ocorrer de duas formas: morte do abstêmio ou retorno ao processo de adicção .

(o)  Ponto DETOX: faz parte da teoria do deslocamento vetorial da desintoxicação. É uma forma mais técnica de reclassificar o abstêmio dentro da escada abstemiológica, após uma eventual reintoxicação física (recaída), uma vez que levará em consideração seu período de abstinência (lastro abstêmio) e o nível dos efeitos da recaída.

(p)  Ponto CEGO da abstinência: refere-se ao transbordo dos problemas gerados durante a adicção e que não conseguem ser resolvidos pelo simples transcurso do tempo abstêmio. Representa aquilo que a abstinência não consegue resolver porque foi um efeito muito grave gerado pela adicção. Por exemplo, durante a adicção houve uma morte, divórcio, processo criminal ou desemprego. Nesses casos, o simples transcurso da abstinência é incapaz de resolver os problemas, de modo que medidas efetivas mais concretas serão necessárias. Para solucionar o ponto cego, devem ser aplicadas outras técnicas abstemiológicas, tais como perdão, autoperdão e reparação de danos direta ou indireta.

Como dito antes, nos próximos estudos analisaremos cada um desses tópicos.

Bons estudos!

Escritor: Péricles Ziemmermann

_______________

REFERÊNCIAS

[1]  Recomendamos, humildemente, que assistam ao vídeo: TEORIA DO DEADLINE DA ADICÇÃO E DA ABSTINÊNCIA

[2]    O ponto YINTANG ou ponto “Y” é um ponto muito antigo que representa, no oriente, o “terceiro olho”. É conhecido como um ponto de clarividência, equilíbrio e despertar espiritual. Na abstemiologia o ponto “Y” corresponde ao momento em que o período de adicção (Ad) se iguala ao período de abstinência (Ab). Em outra toada, o ponto “Z” corresponde ao momento em que o período de drogadição (D) se iguala ao período de abstinência (Ab). Por isso, o ponto “Y” (Ad=Ab) se difere do ponto “Z” (D=Ab).

ZIEMMERMANN, Péricles. PRINCÍPIOS ABSTEMIOLÓGICOS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2018. ISBN 978-85-824565-3-8

ZIEMMERMANN, Péricles. TEORIAS ABSTEMIOLÓGICAS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2019. ISBN 978-85-824566-2-0

ZIEMMERMANN, Péricles. ITINERÁRIOS ABSTEMIOLÓGICOS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2020. ISBN 978-85-924432-3-8

ZIEMMERMANN, Péricles. ABSTEMIOPATIAS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2021. ISBN 978-85-824583-6-5

Para saber mais: CURSOS E CERTIFICADOS

publicado
Categorizado como NOVIDADES

Por Pericles Ziemmermann

Autor dos livros "PRINCÍPIOS ABSTEMIOLÓGICOS", "TEORIAS ABSTEMIOLÓGICAS", "ITINERÁRIOS ABSTEMIOLÓGICOS" e "ABSTEMIOPATIAS". Advogado e especialista em diversas áreas. Pesquisador de temas abstemiológicos. Criador do maior site do Brasil sobre estudos da Vida Abstêmia: Abstemiologia.