RECAÍDA SEM USO

A famosa recaída emocional ou a “recaída sem uso”

Precisa usar drogas/álcool para estar recaído?

Seu familiar só recaiu quando usou drogas/álcool?

Infelizmente, a pessoa recai muito antes de usar drogas/álcool, ou seja, não precisa “usar para recair”. Em postagens anteriores já vimos um pouco sobre isso, mas várias pessoas me pediram para apresentar mais informações obre esse tema. Então, vamos discutir isso com mais detalhes.

Já firmamos a posição de que a recaída é um processo de sucessivas fases em que a última etapa consiste na reintoxicação física do abstêmio. Por isso, esse fenômeno deve ser compreendido como sendo um PROCESSO DE RECAÍDA. Apesar disso, sei que existem opiniões em sentido divergente e que vislumbram a recaída como sendo somente um fato ou ato. Sim, a maioria dos doutrinadores compreende a recaída como sendo um ato, qual ato? A reintoxicação física da pessoa. Todavia, mesmo para estes doutrinadores existe a denominada RECAÍDA EMOCIONAL em que não há propriamente a reintoxicação física, mas, somente, a reintoxicação emocional, psicológica ou cognitiva.

Feitas essas breves considerações, vamos pensar um pouco sobre tudo isso. Imagine que a recaída pode ser representada, de maneira gráfica, como uma PIRÂMIDE com sucessivas etapas. A última das etapas é a reintoxicação física[1]. Faremos uma breve sequência de atos para explicar esse complexo mecanismo.

Exemplificando o parágrafo anterior. Imagine que determinada pessoa usou drogas/álcool, mas, obviamente, para realizar esse consumo teve de comprar o produto. Então, quando a pessoa guardou o dinheiro, será ela que já estava pensando em usar drogas/álcool? Entretanto, será que a pessoa estava pensando em recair antes mesmo de guardar o dinheiro? Será que a pessoa estava pensando em recair quando acordou pela manhã? Será que a pessoa estava pensando em recair quando foi dormir à noite? Será que a pessoa estava pensando em recair um dia antes? Será que a pessoa estava pensando em recair na semana passada? Se essas respostas forem positivas, o PROCESSO DE RECAÍDA teria iniciado muito antes da reintoxicação física. Empiricamente, em alguns casos, podemos afirmar que o processo de recaída começou meses antes da reintoxicação física.

Peço que o nobre leitor refaça a releitura do parágrafo anterior com calma e cautela para tentar compreender o que expliquei. Assim, modestamente, entendo que existe uma sequência concatenada de atos que se direcionam à reintoxicação física. Em palavras mais simples, porém necessárias à compreensão: a reintoxicação física é apenas a cereja do bolo de problemas que antecedeu ao uso de drogas/álcool.

Para os leitores mais exigentes (sei que são muitos)deixo uma sequência técnica dos atos que compreendo como sendo a PIRÂMIDE DE RECAÍDA:

  • FATOS COGNITIVOS PERMISSIVOS: constituem-se pela manutenção de reservas, teimosia, ausência de flexibilização conceitual. É uma espécie de orgulho, mas, como é um orgulho exagerado, é comum dizer que é orgulho inflado.
  • FATOS COGNITIVOS ESTRATÉGICOS: ocorrem internamente, apenas na mente da pessoa como desorganização mental e cogitações de uso.
  • FATOS AUXILIADORES ANTECEDENTES: são as artimanhas para o uso. Por exemplo, discussões desnecessárias, mentiras, ardil, fuga, obtenção de meios, aumento da irritabilidade ou isolamento.
  • REINTOXICAÇÃO EMOCIONAL: são os fatos antecipadores imediatamente anteriores ao uso de drogas/álcool. Tais como: comprar ou pedir drogas/álcool, bem como colocar-se numa situação em que o uso de drogas/álcool surge como sendo a única opção. É a “RECAÍDA EMOCIONAL”.
  • REINTOXICAÇÃO FÍSICA: é a última etapa do processo de recaída culminando com o uso efetivo de drogas/álcool. É a recaída real.

Em suma, assim como “não é preciso usar para pedir ajuda”[2], também “não precisa usar para recair”. A sistemática violação da responsabilidade e do compromisso com os princípios da abstinência ou regras de condutas saudáveis já é suficiente para indicar que o abstêmio se encontra em processo de recaída. Destaque-se que a existência da própria RECAÍDA EMOCIONAL já sinaliza que foi deflagrado o processo de recaída. Na RECAÍDA EMOCIONAL o abstêmio ainda não usou drogas/álcool, mas já está recaído e na iminência de se reintoxicar fisicamente porque tomou a decisão de usar. Por isso, é comum afirmar que a RECAÍDA EMOCIONAL é uma reintoxicação psicológica, enquanto o uso de drogas/álcool é apenas a última etapa piramidal, qual seja, a reintoxicação física. Concluindo, é perfeitamente possível recair sem usar drogas/álcool.

Muitos autores afirmam que a recaída emocional se manifesta com a desorganização do abstêmio, imersão em conflitos constantes, retorno aos hábitos da adicção, desleixo com aparência, abandono da frequência em terapia etc. Porém, nestes casos, nem sempre estamos diante da recaída emocional propriamente dita, mas apenas de atos que podem, também, representar a sintomatologia da fissura. É preciso entender que fissura e recaída emocional são situações bem distintas, mas isso é analisado em outro estudo.

Sugestão: acesse os links nas referências para obter mais informações.

Bons estudos!

Escritor: Péricles Ziemmermann

____________

REFERÊNCIAS

[1] Sugerimos, humildemente, a leitura do texto: O QUE É RECAÍDA?

[2] Agradecimentos ao consultor em dependência química Paulo César Rodrigues.

Sugerimos, humildemente, que assista ao vídeo: VIDEOTERAPIA ABSTEMIOLÓGICA: PRINCÍPIOS ABSTEMIOLÓGICOS 16 AO 20

Sugerimos, humildemente, a leitura do texto: TODA RECAÍDA É IGUAL?

ZIEMMERMANN, Péricles. PRINCÍPIOS ABSTEMIOLÓGICOS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2018. ISBN 978-85-824565-3-8

ZIEMMERMANN, Péricles. TEORIAS ABSTEMIOLÓGICAS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2019. ISBN 978-85-824566-2-0

ZIEMMERMANN, Péricles. ITINERÁRIOS ABSTEMIOLÓGICOS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2020. ISBN 978-85-924432-3-8

ZIEMMERMANN, Péricles. ABSTEMIOPATIAS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2021. ISBN 978-85-824583-6-5

Para mais informações: COMPRANDO LIVROS TÉCNICOS

Por Pericles Ziemmermann

Autor dos livros "PRINCÍPIOS ABSTEMIOLÓGICOS", "TEORIAS ABSTEMIOLÓGICAS", "ITINERÁRIOS ABSTEMIOLÓGICOS" e "ABSTEMIOPATIAS". Advogado e especialista em diversas áreas. Pesquisador de temas abstemiológicos. Criador do maior site do Brasil sobre estudos da Vida Abstêmia: Abstemiologia.