Terapeutas da drogadição ou Terapeutas da Vida Abstêmia?

Os termos técnicos utilizados na área da dependência química ou alcoólica não podem ser simplesmente transferidos para o estudo da Vida Abstêmia. Aliás, conforme explica a teoria da adjetivação da abstinência[1], muitas expressões utilizadas em diversas ciências devem ser adjetivadas para poderem refletir o real significado abstemiológico. Por exemplo, limites físicos ou emocionais é algo muito diferente de limite abstêmio, o mesmo raciocínio vale para responsabilidade abstêmia, lucidez abstêmia, idade abstêmia, disciplina abstêmia, processo abstêmio, espiritualidade abstêmia, princípios abstêmios, evolução consciencial abstêmia, assistência abstêmia, dignidade humana abstêmia, direito humano abstêmio, tempo abstêmio ou desenvolvimento abstêmio.

E como fica a nomenclatura das profissões relacionadas ao tratamento da dependência química e do alcoolismo?

Infelizmente, mais uma vez, estamos diante de problemas estruturais. No tocante a termos técnicos, existem problemas graves como a utilização de expressões ou nomenclaturas esdrúxulas para o tratamento da dependência química ou alcoólica. Por exemplo, “terapeuta em toxicodependência”, “conselheiro em dependência química” ou “especialista em dependência química” são expressões que designam pessoas qualificadas para atuarem na área da dependência química. Até aqui tudo bem. Contudo, a crítica que se faz, refere-se à necessidade de o meio social ter profissionais qualificados para ensinar a pessoa a superar a dependência química ou alcoólica e não apenas estudar a dependência.

Desta forma, os profissionais que lidam com a Vida adicta, ou seja, que explicam o que é a adição, quem são os dependentes e como ocorre o processo de dependência são terapeutas da drogadição. São profissionais qualificados para lidarem com pessoas que usam ou consomem drogas/álcool. Tais profissionais são extremamente necessários em clínicas, comunidades terapêuticas e na própria fase de desintoxicação.

Como visto, a nomenclatura das profissões utilizada na área da dependência química ou alcoólica designa profissionais que lidam com o problema (adicção), mas não com a solução (Vida Abstêmia). A sugestão apresentada pela Abstemiologia consiste em apresentar uma nova nomenclatura de profissionais.

Continuando o raciocínio, os profissionais que lidam com a Vida Abstêmia, ou seja, que explicam o que é a abstinência, quem são os abstêmios e como ocorre o processo de abstinência são abstemiologistas, abstemiólogos ou (re)educadores abstêmios. A seguir vou distinguir, de maneira breve, cada um destes neologismos.

Os abstemiológicos são as pessoas que estudam a Vida Abstêmia em suas três grandes áreas de atuação (ternário abstemiológico[2]): pessoa (modelos de abstêmios), processo de abstinência (como iniciar, manter e evoluir na Vida Abstêmia), abstinência propriamente dita (modelos de Vida Abstêmia). Esses profissionais tentam entender, estudar e cientificar a Vida Abstêmia.

Os abstemiologistas, por sua vez, são profissionais que aplicam os estudos abstemiológicos ao caso concreto, ou seja, os terapeutas em abstinência ou terapeutas da Vida Abstêmia. Se você deseja aplicar os estudos de abstemiologia na sua vida, deve procurar pelos abstemiologistas que serviram de guia para sua jornada.

Por fim, é comum encontrar a expressão reeducador abstêmio. Entretanto, muitas vezes, não existirá possibilidade de reeducação. Explico. Alguns abstêmios nunca tiveram um passado saudável ou sem consumo de drogas/álcool de modo que não podem passar por uma reeducação, mas apenas pela educação abstêmia. As pessoas que nunca tiveram um passado sem drogas/álcool necessitam passar por um processo de educação abstêmia. Àqueles que já tiveram uma vida abstêmia antes de iniciarem a drogadição podem ser reeducados na abstinência. Ao que tudo indica, educar alguém para ter uma vida saudável é mais complicado que reeducar alguém que já teve um passado saudável. Apenas para fins didáticos, para diferenciar o reeducador do educador abstêmio, utilizo a expressão reeducador com parêntesis, ou seja, (re)educador abstêmio. Deste modo, em meus textos, ao me referir ao (re)educador abstêmio posso estar mencionando informações para ambas as categorias de profissionais.

Como fazer para me tornar Abstemiologista?

Os abstemiologistas, atualmente, são pessoas que realizaram o CURSO DE FORMAÇÃO EM ABSTEMIOLOGIA. O curso completo de formação em abstemiologia está disponível na plataforma Hotmart e é oferecido a todas as pessoas que desejam tornarem-se terapeutas em Vida Abstêmia.

Abstemiologistas não lidam diretamente com a dependência, mas com a superação dela.

Para realizar o curso e tornar-se abstemiologista, acesse o link a seguir:

TORNE-SE ABSTEMIOLOGISTA (ACESSO AO CURSO)

Bons estudos!

Escritor: Péricles Ziemmermann

____________

REFERÊNCIAS

[1] Sugerimos, humildemente, que assista ao seguinte vídeo: TEORIA DA ADJETIVAÇÃO DA ABSTINÊNCIA

[2] Sugerimos, humildemente, a leitura do texto: DÉFICIT ABSTEMIOLÓGICO

Sugerimos, humildemente, a leitura do seguinte texto: TERAPEUTAS, TERAPASSOS, TERADEUSES E PSEUDOTERAPEUTAS

ZIEMMERMANN, Péricles. PRINCÍPIOS ABSTEMIOLÓGICOS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2018. ISBN 978-85-824565-3-8

ZIEMMERMANN, Péricles. TEORIAS ABSTEMIOLÓGICAS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2019. ISBN 978-85-824566-2-0

ZIEMMERMANN, Péricles. ITINERÁRIOS ABSTEMIOLÓGICOS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2020. ISBN 978-85-924432-3-8

ZIEMMERMANN, Péricles. ABSTEMIOPATIAS. Porto Alegre/RS: Editora Simplíssimo, 2021. ISBN 978-85-824583-6-5

Para saber mais: CURSOS E CERTIFICADOS

publicado
Categorizado como NOVIDADES

Por Pericles Ziemmermann

Autor dos livros "PRINCÍPIOS ABSTEMIOLÓGICOS", "TEORIAS ABSTEMIOLÓGICAS", "ITINERÁRIOS ABSTEMIOLÓGICOS" e "ABSTEMIOPATIAS". Advogado e especialista em diversas áreas. Pesquisador de temas abstemiológicos. Criador do maior site do Brasil sobre estudos da Vida Abstêmia: Abstemiologia.